Uma visita inesperada ao Louvre

Publicado em 

Uma visita inesperada ao Louvre

O Louvre lhe reserva inúmeras surpresas. Acompanhe Serge Legat, conferencista de museus nacionais, em um percurso insólito pelas salas menos frequentadas do monumento.

Em Paris existem lugares que mesmo os moradores não frequentam. No alto da ala Richelieu, no Louvre, uma obra discreta chama sua atenção. Um corpo feminino, uma cor preta envolvente e misteriosa, um semblante comovido... a sensualidade encontra a tristeza. Você está à frente de O Banho de Betsabé, de Rembrandt. Os visitantes passam pelo quadro sem vê-lo. Apesar de pouco conhecido, ele expressa todo o talento do mestre holandês. O olhar sublinha o dilema de Betsabé, personagem bíblica do Segundo Livro de Samuel no Antigo Testamento, cortejada pelo rei, porém casada. A psicologia da personagem transparece no quadro como raramente se vê na arte de Rembrandt.

Em seguida, penetre nos suntuosos aposentos de Napoleão III. Você não sabia que o Louvre escondia este cenário de tirar o fôlego. E, no entanto, vale a pena conhecê-lo. O imperador fez dessa sucessão de salas um verdadeiro tesouro, um testemunho político para deixar no Louvre os seus vestígios. Aqui, o dourado deslumbra o visitante, as imensas cortinas púrpura subjugam, ao passo que os sofás de três lugares, os “indiscretos”, são um convite para confidências. A pompa e a intimidade se entrecruzam com elegância.

Descendo, os seus passos o guiam pela sala de antiguidades orientais. Não confie na aparente sobriedade das vestimentas de Gudea. Este príncipe que ergueu o reino de Lagash, na Mesopotâmia, marcou seus contemporâneos do III milênio antes da nossa era, especialmente construindo ou restaurando templos. À sua volta, cerca de dez representações em diorito o fazem mergulhar em um jogo de espelhos com a história antiga.

Ao lado, você passa na frente da Cour Marly, mas é outro lugar que o atrai, menos conhecido, mais solitário. A Cour Puget exibe dez estátuas dos séculos passados sob uma vidraça resplandecente. O olhar de Madame de Pompadour, a amante do rei Luís XV, o intriga. Sob as feições da Amizade, a grande dama das Luzes se mostra com simplicidade, longe da ostentação de Versalhes. Os braços estão nus, o vestido é rudimentar. Observando sua mão colocada sobre o peito, é como se você pudesse ouvir as batidas do coração dela. Esta é mais uma faceta surpreendente do Louvre que se revela.

Musée du Louvre
Rue de Rivoli
75001 Paris
França
+33(0)1 40 20 50 50
www.louvre.fr/en/homepage/